1. Home
  2. »
  3. News
  4. »
  5. Pesquisa revela como anda a gestão do risco climático em bancos da América Latina e Caribe
NOTÍCIAS
Pesquisa revela como anda a gestão do risco climático em bancos da América Latina e Caribe
08/04/2020 Since 9 meses

Uma nova pesquisa com 78 instituições financeiras da América Latina e do Caribe, representando 54% do total de ativos sob gestão na região, revelou que 38% dos bancos incorporam diretrizes associadas às mudanças climáticas em sua estratégia e 24% têm uma política de avaliação e divulgação de riscos climáticos.

O estudo “Como os bancos da América Latina e Caribe incorporam as mudanças climáticas em sua gestão de riscos” foi desenvolvido pela Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (United Nations Environmental Program Financial Initiative – UNEP FI) e pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), com a colaboração da Federação Latino-americana de Bancos (FELABAN).

Na pesquisa, 69% dos bancos indicaram que o setor econômico visto como mais exposto aos riscos climáticos é o silvo agropecuário, seguido pelo setor de geração de energia, com 44%.  Além disso, 80% dos bancos indicaram que o principal risco físico a ser incorporado em sua avaliação de risco e gestão é a “inundação”, seguida pela “seca”, que foi mencionada por 41% dos respondentes.

O estudo observa que o setor bancário da América Latina e do Caribe tem uma grande oportunidade de avançar na avaliação dos riscos das mudanças climáticas em seus planos e estratégias, com o objetivo de aumentar sua resiliência e se preparar melhor para apoiar a transição para uma economia de baixo carbono.

Segundo o relatório final, 41% dos bancos pesquisados na região respondem que não possuem mecanismos para identificar, analisar e gerenciar os riscos climáticos.

Os autores da análise concluem que os riscos climáticos não são gerenciados principalmente devido à falta de informação sobre o impacto financeiro das mudanças climáticas e à ausência de demandas por parte dos reguladores.

Os bancos tendem a perceber os riscos climáticos na perspectiva de como as empresas impactam o meio ambiente, e não como as empresas estão expostas às ameaças climáticas, o que é fundamental para o aumento esperado dos impactos relacionados a eventos mais extremos, afirma-se no relatório.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), dada a concentração atual e as emissões contínuas  de gases de efeito estufa, até o final do século, o aumento da temperatura global provavelmente  excederá 1,5ºC,  acima dos níveis pré-industriais, isso virá com o aumento do nível do mar e uma maior frequência e intensidade dos impactos das mudanças climáticas.

“Na última década, os bancos da América Latina e do Caribe avançaram na incorporação de critérios de sustentabilidade em suas diferentes áreas de trabalho. A pesquisa que foi apresentada hoje ajudará os bancos a gerir seus riscos climáticos em suas carteiras de financiamento “, disse Julián Suarez Migliozzi, vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável da CAF.

“A avaliação do risco climático é fundamental para alinhar o portfolios do setor bancário a uma economia global sustentável e equitativa no século XXI, que se torna ainda mais relevante hoje que precisamos reconstruir considerando os efeitos da pandemia COVID-19”, disse Eric Usher, diretor da UNEP FI.

O relatório chama a atenção para as recomendações da Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (Task Force on Climate-related Financial Disclosures – TCFD), assim como as oferecidas pela UNEP FI com a colaboração da CAF. É importante replicar iniciativas como o projeto piloto da UNEP FI com 16 dos principais bancos do mundo para desenvolver ferramentas e indicadores analíticos para ajudar a fortalecer a avaliação e divulgação do risco climático, o que será incluído no Curso Virtual “Mudanças Climáticas e o TCFD: riscos e oportunidades para o setor bancário”, da UNEP FI com a colaboração da CAF.

A pesquisa revela que 53% dos bancos utilizam o Relatório de Sustentabilidade como mecanismo para divulgar os riscos associados as mudanças climáticas, enquanto apenas 16% dos bancos relatam por meio de seus formulários financeiros regulatórios conforme as recomendações da TCFD.

Devido ao desconhecimento e pouca clareza em relação às definições relacionadas aos riscos climáticos, os autores também chamam o setor bancário da região para trabalhar no desenvolvimento de uma taxonomia que tornaria conhecidas definições comuns no setor latino-americano sobre essas questões.

This post is also available in: Inglês Espanhol

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
O Ministério das Finanças lidera a apresentação das actividades da Mesa Redonda das Finanças Verdes Público-Privada
O Ministro das Finanças deu início à apresentação das principais conclusões do segundo ano de trabalho da Mesa Redonda Público-Privada sobre Finanças Verdes. A iniciativa foi criada em 2019 pelo Ministério das Finança...
Since 1 semana Mais informação
O Chile emite 2 mil milhões de dólares em obrigações do Tesouro nos mercados internacionais
Como parte do plano de financiamento para 2021, o Ministério das Finanças informa que emitiu obrigações do Tesouro em mercados internacionais num total de 2 mil milhões de dólares. A operação de hoje reafirma a lider...
Since 1 semana Mais informação
BID e BID Invest lançam a Plataforma de Transparência de Títulos Verdes
O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o BID Invest anunciam o lançamento da Green Bond Transparency Platform (GBTP) (Plataforma de Transparência de Títulos Verdes), uma ferramenta digital inovadora que tra...
Since 2 semanas Mais informação